POLÍCIA CIVIL DESENCADEIA NESTA QUARTA-FEIRA A SEGUNDA FASE DA OPERAÇÃO HOUDINI EM ARAXÁ

A segunda fase da operação Houdini, que apuração desvio de recursos públicos repassados a entidades do terceiro setor entre os anos de 2014 e 2015, foi desencadeada nesta quarta-feira (30) pela Polícia Civil de Minas Gerais (PCMG) em Araxá, no Alto Paranaíba, no interior do Estado. 

Além de recursos públicos, a suspeita é que tenha ocorrido um possível desvio e apropriação de valores da própria Associação dos Aposentados e Pensionistas de Araxá (AAPA).

Nessa segunda fase da operação, policiais civis estiveram em cinco imóveis de Araxá. Três deles de pessoas ligadas a uma das empresas que teriam prestado serviços à AAPA.

Os pagamentos a esta empresa foram feitos com recursos públicos transferidos do município para a entidade. Foram encontrados indícios de superfaturamento e não-execução dos itens constantes nas notas fiscais. Também foram cumpridas buscas no escritório de uma prestadora de serviços da empresa e na casa de uma ex-funcionária da AAPA.
 
Foram apreendidos dez aparelhos celulares, dois notebooks, dois computadores, quatro tablets, um HD externo, um GPS, três pen drives e dois cartões de memória, além de documentos e livros fiscais, que serão inspecionados para obtenção de provas.

 

OPERAÇÃO HOUDINI

A primeira fase da operação Houdini foi realizada em 2017. Na época, foi apurado desvios de recursos por pessoas ligadas ao Conselho de Participação e Integração da Comunidade Afro-brasileira de Araxá (Coafro). 

O inquérito foi concluído, tendo resultado no indiciamento de dez pessoas pelos crimes de falsidade ideológica, peculato, lavagem de dinheiro e organização criminosa.

A partir da primeira investigação, houve desdobramento em mais oito inquéritos policiais, todos em tramitação, por ter sido encontrados suspeitas de crimes em outras entidades.

Segundo informou a Polícia Civil, o nome da operação faz alusão ao mágico ilusionista Harry Houdini. O ilusionismo lembra a condutas desses criminosos, que iludiam os órgãos públicos e a sociedade encobrindo a verdadeira intenção de apropriação de recursos públicos e de terceiros.

Fonte: Rádio Itatiaia