RESPOSTA AO MINISTRO PAULO GUEDES: SERVIDORES PÚBLICOS NÃO SÃO PARASITAS

"O Ministro da Economia, Paulo Guedes, em uma palestra na Escola Brasileira de Economia e Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV EPGE), ao falar sobre a reforma administrativa do Estado brasileiro, equiparou os servidores públicos a parasitas, palavra que, no seu sentido pejorativo, significa “o indivíduo que vive à custa alheia por pura exploração ou preguiça”.

Esse tipo de fala em nada contribui para a construção de instituições fortes, com capacidade política e técnica para enfrentar os desafios de um país com mais de 200 milhões de habitantes, dentre os mais desiguais do mundo, com milhões de famílias vivendo em situação de extrema pobreza, altos índices de desemprego e violência.

Os servidores públicos fazem parte da solução. Toda organização, seja ela pública ou privada, tem processos que podem ser melhorados e resultados que podem ser mais efetivos e eficientes. Uma reforma administrativa que tivesse como premissa a melhoria dos serviços públicos seria bem vinda e encontraria guarida entre os servidores públicos. A população brasileira e nós, servidores públicos, somos os maiores interessados em um Estado eficiente, comprometido com resultados e que entregue serviços públicos de qualidade à população. 

Ao equiparar todos nós, servidores públicos, a parasitas que devem ser eliminados do organismo hospedeiro, o Ministro ataca cada um que decidiu dedicar sua vida ao serviço público e à implementação de políticas públicas que melhorem a vida das pessoas. É falta de respeito com quem ajuda a construir esse país e é, antes de qualquer coisa, injusto.

São servidores públicos que fazem o orçamento federal, são servidores públicos que tomam conta do caixa do governo no Tesouro Nacional, são servidores públicos que elaboram os projetos de lei, decretos, portarias e as justificativas técnicas para as ações que o governo pretende implementar, são servidores públicos que defendem os interesses da União perante o Poder Judiciário, são servidores públicos que mantêm o sistema financeiro nacional, que cobram os impostos que garantem a receita do Estado, que promovem as exportações do país, que defendem os interesses do Brasil em fóruns internacionais, que garantem que 50 milhões de crianças comam todos os dias nas escolas, que 14 milhões de famílias recebam o Programa Bolsa Família, que realizam eleições livres, base da democracia.

Muitos de nós estamos aqui há cinco, dez, quinze, vinte, trinta anos ajudando a construir cada uma das instituições que têm conseguido manter um nível mínimo de estabilidade e segurança jurídica para que o país ofereça melhores oportunidades aos seus cidadãos. Repudiamos a fala e exigimos respeito."

 

NOTA DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS ESPECIALISTAS EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL (ANESP)

 Para saber mais, acesse: http://anesp.org.br/anesp