PRESOS EM OPERAÇÃO EM ARAGUARI PLANEJAVAM NOVOS ATAQUES, DIZ DELEGADO

Na tarde desta terça-feira (25), o delegado da Polícia Civil responsável pela Operação “Rádio Pirata” em Araguari, Felipe Oliveira Monteiro, disse ao MGTV que a organização criminosa que foi detida na cidade tinha planos de novos atentados e que os celulares usados na comunicação do grupo entravam na penitenciária dentro de marmitas.

"Eles já tinham outros atos planejados e estavam prestes a serem executados. Tinham também fotos dos endereços das casas dos agentes que seriam atacadas", informou Monteiro. A ação, que ocorreu em conjunto com a Polícia Militar (PM) e a Secretaria de Estado de Administração Prisional (Seap), cumpriu sete mandados de prisão preventiva.

Os trabalhos da polícia começaram em fevereiro de 2017, depois que a casa de um dos agentes foi atingida por cinco disparos de arma de fogo durante um atentado. As câmeras flagraram a ação dos criminosos e os policiais começaram a investigação.

A polícia também identificou que dois dias antes uma van escolar passava pela casa quatro vezes. Na ultima imagem, o veículo parou e luzes foram observadas. Eram flashes de câmeras indicando que a ação foi premeditada.

Operação Rádio Pirata

O nome da operação foi dado pelo fato de que os presos apelidavam os aparelhos celulares de “radinho”, e pirata porque estes aparelhos entravam no presídio de forma clandestina, por um funcionário do restaurante que fornecia alimentação ao local. Este homem, que está foragido, é quem colocava os celulares dentro de marmitas. Ainda segundo o delegado, o próprio restaurante seria um dos alvos de ataque do grupo.

Dos detidos, quatro membros da organização eram os mentores e atuavam de dentro do presídio. “De dentro eles planejavam a ação e faziam contato com pessoas de fora para execução e arrumavam as armas de fogo, as munições e repassavam para o executor, que concluía o crime,” comentou.

O diretor do presídio de Araguari, Murilo Cássio Fernandes, disse que após o ocorrido mudaram a forma de entrega das marmitas.

O motorista da van segue foragido, a polícia ainda tenta identificar o autor dos disparos e acredita que seja um menor de idade.

Durante a operação, 11 celulares foram apreendidos dentro do presídio e um fora.

 

Fonte: G1