OPERAÇÃO DA POLÍCIA CIVIL CUMPRE MANDADOS CONTRA A PICHAÇÃO NA REGIÃO METROPOLITANA

Oito mandados de busca e apreensão foram cumpridos contra suspeitos de integrarem organizações criminosas responsáveis por promover pichações em patrimônios públicos e privados, na região Metropolitana de Belo Horizonte. Cinco foram cumpridos na capital mineira, um em Esmeraldas, um em Contagem e o último em Ribeirão das Neves. A ação faz parte da operação Muro Limpo da Polícia Civil.

O delegado Eduardo Vieira Figueiredo, da Delegacia Estadual de Investigação de Crimes Contra o Meio Ambiente (DEMA), afirmou que em todos os endereços materiais que fazem ligação dos alvos com as infrações. A operação foi desencadeada após infratores picharem o muro da Divisão de Transportes da própria Polícia Civil, localizada no bairro Santa Efigênia.

“A partir dali a Polícia Civil começou a fazer um mapeamento das organizações criminosas que estariam envolvidas não só com aquela pichação, mas com várias outras em Belo Horizonte. Esse mapeamento vem ocorrendo e originou nos mandados de busca e apreensão de hoje”, explicou Eduardo Vieira Figueiredo.

O delegado afirmou que somados os danos patrimoniais e ambientais, a atuação dos grupos criminosos já atingem o prejuízo de R$ 1,5 milhão. Dentre os suspeitos estão pessoas de diferentes níveis de classe econômica, com idades entre 20 e 30 anos. Enquanto um dos mandados foi cumprido em uma cobertura de luxo na região da Savassi, em outro os policiais cumpriram no Aglomerado do Cafezal, área carente localizada na região Centro-Sul da capital. “Não existe classe social para essa atuação delituosa”, pontuou o delegado.

Na casa de um dos alvos foi encontrada uma pequena porção de maconha. O homem foi conduzido para a delegacia e, após ser ouvido, foi liberado.

A pena para o crime de pichação pode variar de seis meses a um ano, já o crime de dano ao patrimônio pode chegar a três anos de reclusão.

 

Fonte: Jornal O Tempo