BALANÇO DA OPERAÇÃO 'EU NÃO PERTENÇO A VOCÊ' DE COMBATE À VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER TEM DEZ PRESOS NA ZONA DA MATA

Dez pessoas foram presas pela Polícia Civil nesta terça-feira (7) em cidades da Zona da Mata durante a Operação “Eu não pertenço a você”. Os mandados de prisão, de busca e apreensão foram cumpridos nesta data em que são lembrados os 12 anos da Lei Maria da Penha.

De acordo com o chefe do 4º Departamento de Polícia Civil em Juiz de Fora, o delegado-geral Carlos Roberto da Silveira, além das prisões também foram realizadas visitas às vítimas de violência.

“Realizamos 34 visitas tranquilizadoras para vítimas de violência doméstica, na área do Departamento”, ressaltou.

A operação foi realizada em todo o Estado. Na área do 4º Departamento, que abrange as delegacias regionais de Juiz de Fora, Ubá, Leopoldina, Muriaé e Viçosa, ocorreram três prisões em Juiz de Fora, cinco em Ubá, uma em Muriaé e outra em Miraí.

A titular da Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher, delegada Angela Fellet, informou via assessoria que no período da manhã, dois mandados de busca e apreensão foram cumpridos em Juiz de Fora, nos Bairros Centenário e Vila Ideal.

Neste último bairro, também foi cumprido um mandado de prisão preventiva em desfavor de um jovem de 20 anos, suspeito de violência doméstica e de posse ilegal de arma de fogo. Ele teria ameaçado a companheira com a arma.

Os outros dois investigados foram presos no período da tarde.

Um jovem de 22 anos foi preso no Bairro Santo Antônio, suspeito de agredir, com socos e chutes, a ex-companheira, de 20 anos, no dia 20 de março, no Bairro Santa Luzia.

De acordo com a delegada Ione Barbosa, o outro mandado de prisão foi cumprido no Bairro Mundo Novo e culminou na prisão de um homem de 40 anos, suspeito lesão corporal, ameaça e descumprimento de medida protetiva.

“O inquérito iniciou em abril de 2018, foi deferida a medida protetiva em favor da vítima, de 34 anos, ex-companheira dele. Porém, mesmo com deferimento da medida, ele vem descumprindo por meio de ameaças”, explicou a delegada.

A assessoria não detalhou como foram efetuadas as prisões nas cidades de Ubá, Muriaé e Miraí.

 

Fonte: G1